Serviços Periciais



Matéria publicada na Internet no link

http://www.geocities.com/CapeCanaveral/Launchpad/2909/page18.html

TIPOS DE EXPLOSÕES

Há três tipos de explosões:

I - atômicas

II - mecânicas

III - químicas

Explosões atômicas

454 gramas (l libra) do urânio 235 são iguais, do ponto de vista calorífico, a 1.370 toneladas de carvão, o que significa que podem dar cerca de 9 bilhões e 324 milhões de calorias. Transformando-se todo esse calor em energia elétrica e com um rendimento de apenas 25 %, são produzidos 2.700.000 quilowatts-hora, ou seja, a quantidade de energia necessária para alimentar, ininterruptamente e durante 3 longos anos um motor de 100 HP funcionado a plena carga.

Explosões mecânicas

O vapor de água é usado para fins industriais, comerciais, domésticos (aquecimento, cozinhas, estufas, esterilização, etc) e comumente empregado para fins motores, na obtenção de energia mecânica a partir da energiaa térmica contida no vapor.

A caldeira é, pois, um dispositivo destinado à produção de vapores sob elevada pressão pela transferência de calor a um líquido. A energia térmica é obtida pela transferência de calor a um líquido. A energia térmica é obtida pela combustão de carvão, madeira, petróleo, energia elétrica, etc.

Explosão química

Uma explosão química ocorre em virtude da transformação extremamente rápida de um composto explosivo estável, acompanhado da formação de um grande volume de gás, com liberação de calor.

Enquanto muitas substâncias comuns, tal como o carvão, acumulam mais energia que uma determinada quantidade de explosivos, a substância explosiva desenvolve seu poder na extrema velocidade de transformação e liberação de energia.

CLASSIFICAÇÃO DOS EXPLOSIVOS QUÍMICOS

São eles classificados de acordo com a velocidade de sua reação química ou detonação, em:

baixos explosivos explosivos primários ou propulsores altos explosivos ou rompedores

Nitroglicerina

É extremamente sensível, motivo pela qual é rapidamente transformada em dinamite.

Trata-se de um líquido claro quando puro e amarelado ou marron quando impuro. Nesta última condição pode detonar de forma espontânea, devendo ser destruída no próprio local por pessoa especializada.

Explosivos militares

Quando encontrados deverão ser manejados por pessoal qualificado das Forças Armadas.

Mecha ou estopim de segurança

Empregada para transmitir a chama que explodirá uma carga de pólvora negra ou uma cápsula detonadora não elétrica. Queima a uma velocidade uniforme e baixa, permitindo à pessoa que dispara a carga abrigar-se antes da explosão. Contém um núcleo de pólvora negra envolvida por uma capa externa à prova de água, queimando a uma velocidade de cerca de 45 segundos para cada 33 centímetros de comprimento.

Cordel detonante ou Prima

É também denominado de cordel explosivo. Contém um núcleo de coloração branca de nitropenta (PETN). Tem uma velocidade de detonação de 6.400 m/s. Emprega-se para detonação de muitas cargas.

Cápsula detonante não elétrica

Na aparência, é um pequeno tubo de cobre ou alumínio aberto numa das suas extremidades, a fim de permitir a introdução de um estopim ou mecha de segurança.

Cápsula detonante elétrica

Utiliza-se para detonar explosivos instáveis e pode-se ter o exato controle do tempo de explosão.

LEMBRE-SE: JAMAIS SE DEVE TRANSPORTAR CÁPSULAS OU ESPOLETAS JUNTO DOS EXPLOSIVOS OU APARELHOS ELETRÔNICOS.

BOMBAS DE FABRICAÇÃO CASEIRA

Podem ser de dois tipos: I - bomba simples II - bomba dissimulada

Bomba simples

Não há qualquer dúvida que se trata de uma bomba pela sua própria aparência. Consiste de um estopim ou mecha de tempo, uma cápsula explosiva e do explosivo propriamente dito.

Bomba dissimulada

Disimulado ou disfarçada, é a maior ameaça tanto para o público quanto para o policial, uma vez que poderão ser utilizados inúmeros métodos de disparo ou de gatilho.

Efeitos incendiários

Os efeitos incendiários ou de incêndio sempre acompanham uma explosão. Há uma faísca e se materiais combustíveis estiverem presentes, poderá resultar num incêdio.

ALGUNS EXPLOSIVOS MAIS COMUNS

Os mais comuns são as pólvoras negra e sem fumaça, as dinamites e o "cocktail Molotov" ou bomba incendiária. Entretanto, não se pode desprezar alguns altos explosivos, como a nitroglicerina impura, obtida das dinamites, alguns explosivos industriais e comerciais como o Plastex, utilizado nas siderúrgicas e estaleiros e até mesmo alguns explosivos militares furtados, como as granadas, o amatol, o PETN, etc..

A pólvora negra

É um explosivo muito antigo e originalmente constituído de 75 % de nitrato de potássio, 15 % de carvão de madeira e 10 % de enxofre.

Tal pólvora é utilizada na mineração, estopins, cerimônias de alguns cultos religiosos (umbanda) e principalmente nos fogos pirotécnicos. É muito sensível a centelha, chama e até mesmo eletricidade estática. Seus componentes são facilmente obtidos em lojas de fogos, de ferragens, de artigos para pesca e casas de umbanda.

Não requer uma cápsula detonante ou espoleta para explodir, sendo suficiente a chama de um simples estopim caseiro.

Deve ser manuseada com extrema cautela e não se deve fumar, acender fósforos, isqueiros próximos a ela, transportando-os sempre acondicionada em recipientes de papelão ou madeira sem grampos ou pregos.

Pólvora sem fumaça

É a propulsora para as armas de fogo em geral.

Trata-se de baixo explosivo constituído basicamente de algodão nitrado.

É um explosivo insensível, requerendo uma mistura de espoleta que seja sensível à percussão a fim de causar ignição.

As dinamites

São na verdade uma mistura de nitroglicerina (glicerol) e material absorvente (serragem).

Relativamente são insensíveis ao choque e, assim, requerem o uso de cápsulas detonantes ou espoletas para serem detonadas. Há vários tipos de dinamites dependendo dos serviços a serem executados.

Coquetéis Molotov

Artefatos incendiários que consistem de recipientes ou garrafas de vidro cheias de uma mistura inflamável (gasolina, querosene, álcool, óleo diesel, etc), e com uma mecha de trapos em tiras ou estopa. A mecha não toca o combustível quando a "Molotov" está com o gargalo voltado para cima. No entanto, quando em uso, o recipiente é girado para baixo até que a mecha fique saturada da mistura inflamável. Em seguida o dispositivo é novamente colocado na sua posição normal, acesa a mecha e lançado contra o alvo escolhido, quebrando-se ao atingí-lo e ateando fogo ao local.

As motivações

O motivos variam, como: a - cobiça b - vingança c - favorecimento de uma causa seja ela real ou mesmo imaginária d - parte de uma campanha terrorista e - uma mente desequilibrada

TIPOS DE INCIDENTES COM OS QUAIS PODEREMOS LIDAR

As fontes mais comuns e que dão origem aos incidentes com bombas ou ameaças, são os seguintes:

bombas de fabricação caseira, conhecidas como "homemade bombs", incluindo-se as incendiárias ameaças da existência de bombas através do telefone, cartas, avisos ou outros meios acidentes no transporte de explosivos ou bombas recordações ou lembranças de guerra ou munições militares explosivos comerciais acidentes marítimos com bombas acidentes ferroviários com bombas acidentes rodoviários com bombas acidentes aéreos com bombas incêndio a bordo de navios ou nas docas com material explosivo

EFEITOS PRIMÁRIOS DA EXPLOSÃO DE UMA BOMBA DE FABRICAÇÃO CASEIRA

a) fragmentação b)pressão ou onda de choque c)efeitos incendiários

Efeitos de fragmentação

São mais comuns quando o explosivo acha-se confinado no interior de um recipiente qualquer. Uma bomba de fabricação caseira poderá conter pregos, parafusos, fragmentos de metal ou de vidro, pedras, porcas, arruelas, etc, juntamente com o os explosivos tudo no interior do mesmo recipiente ou, então, misturados no próprio explosivo a fim de aumentar os efeitos de fragmentação. Um exemplo típico é a chamada "bomba de tudo". É necessário extremo cuidado ao aproximar-se de uma bomba deste tipo e somente pessoas especializadas é que deverão atuar na área (GATE, da Polícia Militar do Estado).

Efeitos de pressão ou onda de choque

São mais observados quando o explosivo acha-se confinado no interior de um prédio ou de outra área interna. Normalmente, quanto mais forte e mais confinada for a área ao redor da explosão, maior será o dano infligido pela onda de pressão ou de choque, quando da sua expansão. Na verdade, a onda de pressão ou de choque é o efeito violento do deslocamento de ar ou onda consistindo de um aumento seguido de uma diminuição extremamente rápida da pressão atmosférica.

1 Baixos explosivos ou propulsores

São os explosivos geralmente de queima lenta. Por tal motivo, são mais utilizados como propulsores. O mais comuns são as pólvoras negra e sem fumaça.

Explosivos primários ou de iniciação

São os muito sensíveis à detonação pelo calor, choque, atrito, impacto,etc.

Os fulminatos de mercúrio e de prata, o estifnato de chumbo, o GNAGT (Guanil-Nitro-Guanil-Tetrazeno), o RDX, o PETN, usados nas cápsulas detonantes são exemplos mais sensíveis e assim empregados para deonarem os explosivos insensíveis.

Altos explosivos ou rompedores

Têm uma velocidade de detonação muito rápida. Os exemplos mais comuns são as dinamites, a nitroglicerina (glicerol), o TNT (Trinitro-Tolueno) e os explosivos pláticos industriais, como o Semtex eo Plastex, e os militares C3 e C4.

O INTERESSE POLICIAL PELAS EXPLOSÕES

O Artigo 144 da Constituição da República Federativa do Brasil estabelece que a segurança pública, é dever do Estado, direito e responsabilidade de todos, e é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através das várias polícias. Portanto, o serviço policial é o guardião das pessoas e das propriedades e tudo aquilo que ameaça o bem estar deverá estar relacionado com a polícia.

Explosões de bombas em lugares públicos, avisos por escrito ou via teleone prevenindo sobre atentados a bomba têm , cada vez mais, tomado conta do tempo policial. Essas ameaças podem ocorrer a qualquer tempo e em qualquer lugar. Assim, durante os períodos de greves, demonstrações estudantis, interior de edifícios públicos ou particulares, templos, sinagogas, representações de países, escolas, universidades, bombas poderão explodir a qulquer momento.

OS ALVOS MAIS COMUNS DE BOMBAS

A prioridade dos alvos mais comuns de bombas varia de acordo com a situação existente. Assim é que durante os períodos de greve trabalhistas, por exemplo, as fábricas ou residências dos diretores ou patrões podem ser os alvos principais. É o que está acontecendo atualmente na Palestina, onde terroristas explodem bombas em lugares públicos e transportes coletivos.

Entre os alvos mais comuns podemos mencionar:

I - edifícios governamentais II - edifícios de embaixadas e consulados III - complexos industriais chaves IV - utilidades públicas e privadas V - facilidades de transportes VI - facilidades de comunicação VII - armazéns gerais de gêneros alimentícios VIII - escolas públicas e privadas, incluindo-se as faculdades e universidades IX - residências de pessoas proeminentes no governo, no trabalho, na política e em outros campos X - igrejas e templos

Mecanismos de disparo ou de gatilho

Tais mecanismos geralmente usam a dissimulação ou disfarce para acompanhar seus propósitos e que serão sempre o de matar ou ferir o inimigo. Incorporam os seguintes funcionamentos básicos ou métodos de gatilho:

tração pressão alívio de pressão tensão relógio comum mecanismos elétricos e eletrônicos Se destacarmos 10 pessoas para construir um bomba do tipo caseira, provavelmente, teremos 10 bombas diferentes da aparência e com mecanismos de gatilho igualmente diferentes. Todavia, cada uma delas incorporará um dos métodos de funcionamento básico utilizado nos mecanismos de armadilha.

CORRESPONDÊNCIA EXPLOSIVA

Martin Eckenberg, um químico sueco desequilibrado e que morreu numa prisão londrina em 1910, foi o inventor da correspondência explosiva.

No dia 3 de setemro de 1947 foi detectada a primeira bomba postal na Inglaterra, na cidade de Londres.

O pacote era procedente do Eire, provavelmente do IRA. A partir daí surgiram as cartas bombas ou correspondências explosivas e que continuam até hoje, procedentes da Palestina.

Artigo extraído na Coluna da Polícia Civil - Jornal da Reserva do Exército, abr-mai-jun, página 16, 1996

2010-12-11

22:41:15







Site de Divulgação de Notícias Jurídicas e Serviços de Perícias e Investigações Científicas oferecendo Perito Assitente Técnico ou Perito Judiciário, baseados na lei 11.690 para Exames e Acompanhamentos em Processos Criminais Cíveis e Trabalhistas em casos de Perícias de Crimes de Informática, Grafotécnica, Documentoscopia, acidente de trânsito, Som, Comparação de Voz,Audio e Vídeo, Pirataria, Contrafação de Marcas e Patentes, etc

0